Comecei a andar de skate há 16 anos, por influência do meu irmão Marcos. Ele montou meu primeiro skate com peças usadas que conseguiu na época e me inseriu nos roles que ele fazia. A partir daí me envolvi com a galera e conheci mais do skate, vivi isso 24h por dia. Hoje em dia a maior parte do tempo estou no trabalho. Andar, filmar e viajar está mais difícil por falta de tempo.

Moro em Cuiabá, capital de Mato Grosso. Aqui a cena do skate é simples, temos uma pista na cidade e algumas praças, mas somos privilegiados pelas ruas que oferecem muitos picos. Depois da última copa do mundo ganhamos o Solo da Arena do Pantanal, um dos melhores solos da cidade pra manobra. Também temos Skate Shops que estão sempre na luta pra trazer mais marcas e novidades.

Pelo fato de ser uma capital afastada de outras grandes capitais em que a proporção do skate é maior, existe uma dificuldade pra todos que vivem aqui. Fazer contato com a galera de fora, eventos, colar em picos de fora por exemplo... Mas graças a Deus temos uma galera que anda de skate por amor, tanto a nova geração quanto a galera mais vivida. Quem anda de skate por aqui realmente gosta do que faz. A vontade de andar é maior que qualquer dificuldade.

Na época que comecei no skate, a gente queria apenas anda, sem preocupações, no máximo eventos da região pra colar. Não existia aquela pegada de se preocupar em fazer insta, tirar foto pro facebook ou qualquer rede social. Mas por outro lado, hoje os vídeos estão mais acessíveis, assim como ter peças gringas, nacionais, viajar, evoluir...

Nisso tudo aprendemos que andar de skate, seja como for, com amigos, sozinho, só remar, no acerto ou no erro...  Caindo, machucando, evoluindo... O que prevalece é essência que pra nós é apenas ANDAR DE SKATE.